Programa BIOEN FAPESP

Sumrio
Modalidades de fomento:
Auxlio Pesquisa – Regular (APR)
Auxlio Pesquisa – Temtico
Auxlio Pesquisa – Jovens Pesquisadores (JP)
Elegibilidade:
O pesquisador responsvel deve atender aos critrios de elegibilidade da modalidade escolhida, definidos no endereo www.fapesp.br/137#4772 (APR),www.fapesp.br/176#3 (Temtico) ou www.fapesp.br/jp/#4502 (JP).
Submisso de propostas:
Atravs da plataforma SAGe (www.fapesp.br/sage)
Data limite para submisso:
24 de novembro de 2017
Contato:
Dra. Bruna Musa – chamada-bioen2017@fapesp.br


Contedo

1 Introduo

O programa BIOEN, orientado pesquisa bsica e aplicada sobre Bioenergia, foi criado em 2008 e organizou uma rede de pesquisa que tem conduzido estudos em 5 Divises (www.fapesp.br/bioen):

a) Biomassa para Bioenergia (com foco em cana-de-acar);

b) Processo de Fabricao de Biocombustveis;

c) Biorrefinaria e Alcoolqumica;

d) Aplicaes do Etanol para Motores Automotivos: motores de combusto interna e clulas-combustvel;

e) Pesquisa sobre impactos socioeconmicos, ambientais e uso da terra.

Os resultados at aqui alcanados constituem base slida que poder sustentar o desenvolvimento de propostas com abordagem inovadora e conduzir a grandes avanos. Objetivo igualmente importante preencher lacunas no conhecimento fundamental para que possamos progredir na explorao da biomassa como importante fonte de energia renovvel.

2 Objetivos da chamada

Esta chamada visa a estimular pesquisa fundamental e transversal com potencial para levar inovao tecnolgica. Busca-se projetos de pesquisa que, por um lado aumentem a base do conhecimento, e por outro propiciem saltos qualitativos e quebras de paradigma.

Alm de conhecimento fundamental de processos e sistemas associados produo e uso da bioenergia, so buscados projetos que apliquem o conhecimento j obtido no mbito do Programa. A chamada busca com especial interesse propostas de pesquisa com foco no aumento do tempo de operao das usinas de etanol de cana, bem como pesquisas sobre o impacto do aumento da produo e diversificao das fontes de biomassa, nos dois casos abrangendo todas as Divises do BIOEN. Aqui se inclui um amplo espectro de temas, que vai desde a produo de biomassa e engenharia de processos que garantam expanso sustentvel da produo de bioenergia at impactos social, ambiental e econmico. Igualmente importantes para garantir o crescimento da fatia de energias renovveis na matriz energtica do Pas so estudos da logstica da produo de biomassa.

Um dos objetivos da nova chamada aumentar a integrao da pesquisa. Sero valorizadas abordagens multidisciplinares, que estimulem sinergias, criem massa crtica em diferentes subreas e garantam que os esforos de pesquisa e inovao em bioenergia tenham impacto e abrangncia. especialmente importante para o BIOEN atrair Jovens Pesquisadores em reas de ponta e gerar parcerias internacionais, que devero diversificar as reas de atuao do Programa e atrair o interesse de comunidade ainda maior — aqui includas tanto a indstria nacional como a internacional — pela pesquisa nele conduzida.

3 Modalidades

especialmente importante para o Programa BIOEN atrair pesquisadores em reas de ponta, capazes de trabalhar no mbito de parcerias internacionais. Espera-se tambm que os mesmos demonstrem a capacidade de dialogar tambm com o setor da indstria, tanto nacional como internacionalmente.

Nesta chamada convidam-se propostas nas modalidades de

a) Auxlio Pesquisa — Regular,

b) Auxlio Pesquisa – Projeto Temtico, e

c) Auxlio Pesquisa – Jovens Pesquisadores em Centros Emergentes.

Tendo em vista a avaliao por assessoria internacional, as propostas devem ser redigidas em Ingls.

4 Recursos disponveis

a) O montante disponvel para as propostas selecionadas de R$ 15 milhes. Prev-se concesso de 50% dos recursos para Projetos Temticos.

b) A compatibilidade entre o montante solicitado e os objetivos da proposta e a qualificao da equipe proponente elemento fundamental da avaliao.

c) A FAPESP se reserva o direito de ajustar o oramento s necessidades de cada proposta.

5 Cronograma

Publicao da chamada: 31/08/2017

ltima data para submisso de propostas: 24/11/2017

Divulgao das propostas selecionadas: 15/04/2018

6 Temas

6.1 Pesquisa bsica para avanar o conhecimento em bioenergia

a) Agronomia, ciclos biogeoqumicos, genmica de plantas e microorganismos, biologia sinttica e de sistemas, gentica comparativa e evolutiva de plantas utilizadas como fonte de biomassa, fotossntese, crescimento e desenvolvimento de plantas, adaptao ao ambiente, resposta a estresses biticos e abiticos, resilincia a climas futuros.

b) Microorganismos fermentadores, lignocelulolticos e algas que permitam explorar as diferentes fontes de biomassa, compreender os fenmenos que regulam a eficincia do uso das fontes de carbono, sem perdas e com economia de gua. Desdobramentos de co-produtos e compostos qumicos de valor agregado que possam resultar em novas aplicaes, por exemplo, rotas para aumento da sustentabilidade no conceito no waste.

c) Integrao de disciplinas ou reas do conhecimento que meam o impacto da expanso da bioenergia. Devem aqui ser considerados os aspectos da sua sustentabilidade que tendam a maximizar os benefcios sociais, ambientais e econmicos da bioenergia.

6.2 Pesquisa para o aumento da produtividade e do tempo de operao de usinas de bioetanol, bioeletricidade e desenvolvimento de biorrefinarias

A indstria do bioetanol opera por cerca de 180 dias ao ano. A produtividade da cana-de-acar precisa ser grandemente aumentada, e o tempo de operao das usinas ampliado, possivelmente para operao contnua. A mdia comercial de produo atual de cana-de-acar est em torno de 80 t ha-1 ano-1. O potencial terico 380 t ha-1. Entre os desafios contendo o aumento da produtividade no campo esto obstculos agronmicos, edficos, ambientais, fisiolgicos e biotecnolgicos. Nas usinas, os desafios incluem a produo integrada de co-produtos e energia, e o uso eficiente de novas fontes de biomassa.

6.2.1 Novas prticas agronmicas em cana-de-acar para aumento de produtividade e sustentabilidade

Buscam-se saltos tecnolgicos em:

a) Manejo e conservao do solo;

b) Irrigao e uso eficiente de gua e recursos hdricos;

c) Canteirizao;

d) Agricultura de preciso;

e) Fertilizao;

f) Controle de pragas e doenas e aumento de longevidade do canavial;

g) Produo de bioenergia a partir da palha da cana, tanto por processo tradicional como via etanol de segunda gerao.

6.2.2 Melhoramento gentico da cana-de-acar

Desenvolvimento de novos cultivares de plantas para bioenergia a partir de avanos recentes da biotecnologia e genmica, visando

a) Desenvolvimento de cultivares com tolerncia tanto seca como a altas ou baixas temperaturas, para expanso de reas cultivadas;

b) Desenvolvimento de cultivares resistentes a pragas e doenas;

c) Desenvolver a cana-energia;

d) Expandir e caracterizar bancos de germoplasmas.

6.2.3 Etanol celulsico, produo integrada de coprodutos e energia na usina

Desenvolvimento de novos sistemas de biorrefinarias com produo integrada de novos coprodutos ou reaproveitamento dos produtos atualmente existentes para aumento de produtividade. Os principais objetivos so:

a) Agregar valor ao setor e produzir um ciclo de vida mais favorvel dos processos de produo de etanol celulsico, com reduo de custos e de consumo de gua e energia;

b) Desenvolver novas rotas ou rotas mais eficientes para a produo de produtos a base de biomassa.

6.2.4 Bioeletricidade e biomassas fora da rota dos combustveis lquidos

A bioeletricidade tem crescente importncias econmica e energtica. As tecnologias de combusto tm evoludo, mas novos desenvolvimentos so desejveis. Alternativas eficientes de produo de energia incluem a utilizao de turbinas movidas a gs oriundo da gaseificao do bagao. Outra forma de aumentar a produo de energia por meio da gerao do biogs decorrente da fermentao da vinhaa e de outros resduos, da indstria ou provenientes do campo.

Embora atualmente o bagao seja a principal matria prima para combusto nas usinas, h crescente interesse pela palha, ainda que sua composio mineral possa afetar equipamentos, e por outras matrias primas externas.

6.3 Pesquisa para ampliar e diversificar as fontes de biomassa para bioenergia

A ampliao do perodo de operao das usinas importante para reduzir custos. Produzir biomassas que possam ser utilizadas no perodo de entressafra da cana-de-acar ou aproveitar melhor os resduos agrcolas so alternativas atraentes. Processos de integrao de 1 ou 2 geraes abrem muitas opes agrcolas envolvendo culturas aucareiras e materiais celulsicos. Alguns dos principais desafios so:

a) Gerao de biomassa suficientemente produtiva que permita a produo de etanol concomitantemente a gerao de energia necessria para operar os processos da usina. Fontes de biomassa de interesse incluem, sem se restringir a sorgo, palha de cana-de-acar e outros resduos agrcolas, biomassa florestal e resduos urbanos e industriais. O sorgo pertence ao portflio de plantas para produo de bioenergia por ser relativamente tolerante seca e fonte de amido, sacarose e de celulose, bem como pelo fato de poder ser cultivado na entressafra da cana-de-acar.

b) Expanso das fronteiras agrcolas, uso potencial de solos degradados e terras marginais e aumento da resilincia a mudanas climticas, tanto para bioenergia quanto para outros fins.

c) Aumento da rea plantada e melhor aproveitamento da madeira.

O Brasil conta com 6 milhes de hectares de eucalipto e pinus plantados e tem a maior produtividade mundial de madeira. Esta uma biomassa j estabelecida, que contribui 11% para a matriz energtica brasileira, na forma de energia trmica. Tem ainda grande potencial para aproveitamento adicional via produo de etanol celulsico e como matria prima para a indstria qumica. A biomassa florestal pode ser plantada em reas marginais e de alta declividade, reas no ocupadas atualmente pela cana-de-acar ou outras culturas energticas, desde que respeitadas as legislaes dos rgos regulatrios ambientais determinadas para cada propriedade. O plantio fornecer biomassa para bioenergia e oferecer melhor aproveitamento da terra. O eucalipto tem forte presena no Estado de So Paulo. Centralmente produzido como material celulsico e para papel, o eucalipto fonte potencial de matria prima para a produo de bioenergia e de produtos qumicos. Pellets produzidos a partir de resduos da indstria florestal tm se tornado importante fonte de bioenergia em muitos pases para gerao de calor via rotas tradicionais.

d) Aproveitamento de resduos urbanos e industriais.

Os centros urbanos so o destino de grandes quantidades de biomassa da agricultura, na forma de alimentos, embalagens e matrias primas para vrios fins. Os resduos urbanos e industriais dessas biomassas, que por um lado podem gerar custos e problemas ambientais para sua disposio, por outro conservam parte da energia contida no material orgnico. So Paulo congrega grandes centros urbanos e ncleos industriais e agroindustriais. Mais de 26 mil toneladas de lixo so recolhidas diariamente das residncias paulistas. H, portanto, oportunidade para uso ambiental e economicamente sustentvel desses materiais na produo de bioenergia e/ou produtos qumicos. Algumas tecnologias podem ser integradas s operaes de usinas de acar e bioenergia. Outras podem representar ampliao de atividades que visam a obter energia renovvel a partir de lixo de centros urbanos e ncleos industriais e agroindustriais, a exemplo do que j ocorre com as usinas de cana.

6.4 Pesquisa sobre logstica em produo de biomassa

Biomassas so produtos volumosos e de baixo valor agregado e, geralmente, esto entre os maiores fatores de custo para a produo de bioenergia. Por exemplo, as operaes de corte, carregamento e transporte representam de 20 a 40% do custo de produo de cana-de-acar nas usinas. Parte dos aspectos de logstica demanda solues de engenharia e a criao de equipamentos multiuso e eficientes. A logstica de produo e distribuio de biocombustveis tambm um foco importante de pesquisa.

6.5 Biocombustvel para aviao e veculos pesados

A indstria aeronutica internacional tem metas para usar combustveis renovveis e reduzir as emisses de CO2. Para avies inexistem opes no horizonte alm de biocombustveis lquidos. Esses devem ser do tipo drop-in, ou seja, que dispensem alteraes nos motores ou turbinas. Em virtude do destacado potencial para produo de biomassa e do j importante e crescente mercado aeronutico, o Brasil tem grande oportunidade para sobressair na rea de biocombustveis para aviao.

6.6 Pesquisa sobre os impactos ambiental, social e econmico da expanso da produo de cana-de-acar e de outras fontes de biomassa para bioenergia.

O Brasil se destaca mundialmente como grande produtor de biomassa e pela sua matriz energtica em grande parte renovvel. A disponibilidade de terras e clima adequado fazem com que o Pas possa contribuir significativamente para a substituio de derivados de petrleo em escala mundial. essencial, no entanto, entender os impactos ambiental, social e econmico da expanso da produo de biomassa e bionergia no pas. Enfatiza-se aqui a necessidade de estudos integrados de toda a cadeia produtiva.

7 Requisitos

Somente sero aceitas para anlise propostas submetidas por pesquisadores vinculados a instituies de ensino e/ou pesquisa do Estado de So Paulo. As propostas podem ser apresentadas nas seguintes modalidades de financiamento: Auxlio Pesquisa – Projeto Temtico e Auxlio Pesquisa – Jovens Pesquisadores em Centros Emergentes.

As propostas devem respeitar as normas que regulamentam as concesses nas modalidades pertinentes, com as modificaes explicitadas nesta chamada. Descrio detalhada pode ser encontrada no endereo eletrnico www.fapesp.br.

Tendo em vista a avaliao por assessoria internacional, as propostas devem ser redigidas em Ingls.

7.1 Auxlio Pesquisa — Regular

Essa modalidade apoia projetos com durao de 24 meses e com valor total (incluindo as Reservas Tcnicas) abaixo de R$ 200 mil. O item 3.3 do endereo www.fapesp.br/137#4772 detalha as condies de elegibilidade do proponente.

7.2 Auxlio Pesquisa – Projeto Temtico.

Essa modalidade busca projetos de pesquisa com ousadia cientfica que justifique a durao de 60 meses. O item 3.3 do endereo www.fapesp.br/176#3 detalha as condies de elegibilidade do proponente.

7.3 Programa Jovens Pesquisadores em Centros Emergentes.

Nessa modalidade, as propostas devem ser para projetos competitivos internacionalmente e que sero desenvolvidas em universidades ou institutos de pesquisa no Estado de So Paulo sob a liderana de jovens pesquisadores com experincia internacional em pesquisa por 2 a 5 anos aps o doutorado. As propostas devem ter durao de 48 meses. No momento da submisso, o solicitante no necessita estar vinculado instituio que sediar o projeto. O item 3.3 do endereo www.fapesp.br/jp/#4502 detalha as condies de elegibilidade do proponente.

8 Caractersticas desejveis

Para atender aos objetivos do Programa, as propostas devem minimamente abranger os seguintes elementos:

8.1 Solues novas e criativas

As propostas de pesquisa devem almejar a criao de novos conhecimentos e/ou tecnologias, que contribuam para a formao de recursos humanos na rea de Bioenergia. Abordagens ousadas, originais e no-convencionais voltadas para os desafios cientficos e tecnolgicos listados no item 1 sero valorizadas. No extremo oposto, projetos de engenharia incremental com resultado garantido so indesejveis.

8.2 Divulgao de resultados

Os resultados da pesquisa devem ser amplamente divulgados nas comunidades cientficas relevantes, por meio dos canais acadmicos convencionais, tais como conferncias internacionais e revistas cientficas com critrio editorial seletivo. A proposta deve tambm explorar os canais de divulgao voltados para o desenvolvimento da comunidade, tais como workshops regionais, seminrios de ps-graduao e itens curriculares — aulas ou materiais para cursos, por exemplo.

9 Benefcios e condies para participao no Programa BIOEN

Alm das vantagens tradicionalmente decorrentes dos auxlios pesquisa da FAPESP, o Programa BIOEN oferece benefcios decorrentes de suas caractersticas:

a) Rede de pesquisa multidisciplinar. A estrutura e os objetivos do BIOEN atraem pesquisadores de diversas reas. O plano de gesto do conhecimento do Programa inclui cursos, seminrios e workshops que garantem compartilhamento da cultura adquirida nas diversas frentes de trabalho e avano integrado do projeto de pesquisa.

b) Combinao de pesquisa bsica com solues de problemas prticos. A partir da experincia com a primeira fase do Programa, espera-se que a troca de ideias e o intercmbio de informaes entre as duas frentes de pesquisa propiciem avano rpido e abrangente, ao mesmo tempo em que gerem benefcios econmicos e sociais.

c) Temtica que conduz a resultados cientficos de qualidade. A bibliomtrica dos resultados at aqui publicados posiciona o BIOEN entre os programas da FAPESP com mais alto impacto cientfico.

A adeso ao Programa BIOEN est condicionada s seguintes exigncias:

a) Os resultados sero imediatamente integrados ao Sistema de Informao FAPESP/BIOEN.

b) A propriedade intelectual de resultados do Programa ser compartilhada entre as instituies-sedes das propostas selecionadas, nos termos de acordo que ser celebrado.

c) A participao nos workshops FAPESP/BIOEN e em reunies de trabalho obrigatria. Os Pesquisadores Responsveis devem estimular a participao de todos os estudantes e pesquisadores de ps-doutorado vinculados ao projeto.

10 Propriedade Intelectual e Publicaes

10.1 Propriedade Intelectual

a) A propriedade intelectual resultante dos projetos de pesquisa ou de parte deles estar sujeita s normas da FAPESP sobre o assunto. A Poltica de PI da FAPESP pode ser encontrada no endereo fapesp.br/pi.

b) Para propostas em que haja Pesquisadores Principais de mais de uma instituio, ser necessrio acordo entre as instituies-sede dos projetos selecionados voltado para a gesto e compartilhamento dos ganhos eventualmente auferidos com a propriedade intelectual gerada pelos projetos..

10.2 Publicaes

a) A FAPESP estimula os participantes do Programa a publicarem seus resultados, para fins educacionais e de pesquisa acadmica. Ao mesmo tempo, reconhece que a necessidade de solicitar registro de PI pode limitar temporariamente a divulgao dos resultados, at que o depsito para proteo de PI seja efetuado.

b) A FAPESP ser reconhecida como provedora dos recursos e o Programa BIOEN ser explicitamente mencionado em toda publicao e apresentao de resultados.

11 Itens Financiveis

Valem as normas da modalidade escolhida.

12 Formatao da Proposta

Valem as normas de cada modalidade, modificados por condies explicitadas nesta chamada de propostas.

12.1 Durao do Projeto

a) Propostas submetidas como Auxlio Regular Pesquisa devero ter durao de 24 meses.

b) Propostas submetidas como Programa Jovem Pesquisador devero ter durao de 48 meses.

c) Propostas submetidas como Projeto Temtico devero ter durao de 60 meses.

12.2 Idioma e formatao das propostas

As propostas devem ser apresentadas em Ingls.

12.3 Forma de submisso

a) Valem as normas da modalidade escolhida (Regular, Temtico ou JP), com as modificaes explicitadas nesta chamada de propostas.

b) A proposta deve ser integralmente submetida por via eletrnica utilizando o Sistema de Apoio a Gesto (SAGe) da FAPESP disponvel no endereo www.fapesp.br/sage, conforme descrito no Anexo 1 a esta Chamada de Propostas. Todas as abas devem ser preenchidas e os documentos anexados. Aplicam-se as normas da modalidade escolhida, modificadas apenas por condies explicitadas nesta chamada de propostas

c) Para todo texto com limitao de nmero de pginas, deve ser usada fonte Times News Roman 11 (ou equivalente) com espaamento 1,5.

12.4 Informaes suplementares requeridas

Alm dos documentos exigidos na modalidade escolhida para submisso, obrigatrio adicionar um Resumo Executivo com at 2 pginas, em ingls, contendo:

a) Ttulo do projeto;

b) Objetivo geral e objetivos especficos, incluindo discusso sumria sobre sua adequao aos objetivos gerais da chamada;

c) Oramento global solicitado;

d) rea temtica do projeto. Devem ser especificadas as correlaes entre a proposta e as divises do BIOEN, definidas no item 1 desta Chamada de Propostas, e os temas listados no item 6;

e) Descrio dos resultados cientficos e outros produtos que se espera obter;

f) Defesa da originalidade e descrio dos potenciais impactos cientficos do projeto de pesquisa proposto;

g) Descrio sumria dos potenciais impactos sociais e/ou econmicos esperados do projeto de pesquisa proposto;

h) Outros financiamentos vigentes para finalidades correlatas ao projeto de pesquisa proposto.

13 Processo de anlise e seleo

Todas as propostas consideradas elegveis segundo os termos desta Chamada de Propostas de Pesquisa sero analisadas em 2 etapas:

13.1 Enquadramento no Programa.

O enquadramento da proposta ser avaliado pela Coordenao de Programa do BIOEN (CP BIOEN), que emitir parecer sumrio a ser usado durante o processo de avaliao. Para analisar o enquadramento, a CP BIOEN considerar:

a) Conformidade da proposta aos temas relevantes listados no item 6;

b) Perspectiva de integrao da proposta com os projetos de pesquisa em andamento dos Programas BIOEN;

13.2 Anlise e seleo das propostas enquadradas no Programa.

a. As propostas sero analisadas por seu mrito, atravs de avaliao externa por pares seguida de anlise nas Coordenaes de rea e Adjunta. Sero usados os critrios de seleo utilizados pela FAPESP para anlise e seleo na modalidade escolhida pelo proponente.

b. As propostas sero inicialmente analisadas quanto ao enquadramento na modalidade pretendida, segundo as normas da FAPESP;

c. As propostas enquadradas sero analisadas utilizando os seguintes critrios, adicionais aos critrios especficos para a modalidade escolhida:

c.i. Aderncia aos termos especificados nesta Chamada;

c.ii. Originalidade e ousadia da proposta em relao linha de pesquisa proposta. Sero valorizados objetivos de pesquisa bem definidos e que, se atingidos, tero potencial para impactar significativamente a rea de pesquisa;

c.iii. Qualidade do projeto de pesquisa em relao clareza dos objetivos, desafios a serem enfrentados e mtodos e materiais a serem utilizados em comparao com o estado da arte na rea;

c.iv. Adequao infraestrutura da instituio onde a pesquisa ser conduzida;

c.v. Qualificao do pesquisador proponente e da sua equipe, demonstrada pelo histrico de resultados de pesquisa em reas relevantes a esta chamada, concluso bem sucedida de projetos anteriores, prmios e reconhecimentos pela atividade de docente e publicaes demonstradas nas Smulas Curriculares dos pesquisadores da equipe.

c.vi. Viabilidade da execuo do projeto, incluindo a adequao dos recursos solicitados, apoio institucional, razoabilidade dos cronogramas, quantidade e qualificao dos participantes, quantidade de recursos disponveis e eficincia em sua utilizao;

c.vii. Potencial para ampla disseminao e uso da propriedade intelectual criada, incluindo-se planos para publicaes cientficas e apresentaes em conferncias e para distribuio de contedo em mltiplos formatos e mdias.

c.viii. Previso de treinamento de novos pesquisadores e pessoal relacionado ao projeto durante sua execuo.

14 Concesso, Acompanhamento e Avaliao dos Projetos

Caso a proposta seja aprovada, ser lavrado um Termo de Outorga a ser assinado pela FAPESP, pelo pesquisador responsvel no estado de So Paulo e pelo responsvel pela instituio de pesquisa onde o projeto ser desenvolvido.

Os resultados obtidos sero avaliados por meio de relatrios cientficos e prestaes de contas, que devero ser encaminhados at as datas estabelecidas no Termo de Outorga.

15 Cancelamento da Concesso

A concesso do apoio financeiro poder ser cancelada pela FAPESP, por ocorrncia, durante sua execuo, de irregularidade com gravidade suficiente para justificar a medida, a critrio da Diretoria Cientfica da FAPESP. O cancelamento no trar prejuzo a outras providncias cabveis.

16 Outras Informaes

Pedidos de esclarecimentos sobre esta chamada de propostas devem ser encaminhados ao Converse com a FAPESP. Os pedidos sero atendidos pela Dra Bruna Musa, Gerente de rea Cientfica, usando-se o endereo de e-mail chamada-bioen2017@fapesp.br.



ANEXO CHAMADA BIOEN 2017

Instrues especficas sobre o uso do Sistema SAGe

1. necessrio que o Pesquisador Responsvel pela proposta seja cadastrado no sistema SAGe:

(i) Pesquisadores que no possuem cadastro no SAGe devem inicialmente inscrever-se acessando a pgina do SAGe no endereo www.fapesp.br/sage, clicar em ”Sem cadastro?” e preencher os dados solicitados. No basta apenas cadastrar-se como usurio, necessrio completar os dados cadastrais;

(ii) Pesquisadores do Estado de So Paulo, j cadastrados, devem realizar o login no SAGe com identificao e senha usuais para acessar a pgina inicial do sistema;

2. Na pgina inicial, selecionar, dentre as opes do menu “Acesso Rpido – Atividades do Pesquisador”, o link Nova Proposta Inicial;

3. O sistema disponibilizar na pgina seguinte o menu “Incluir Proposta – Selecionar Linha de Fomento”, selecionar o link Outras linhas de fomento;

4. Na sucesso de opes vai ser mostrado:

Programa de Inovao Tecnolgica > BIOEN>

5. Selecionar a opo desejada conforme a modalidade de Auxlio Pesquisa de interesse (Jovem Pesquisador ou Regular ou Projeto Temtico).

BIOEN > Projeto de Pesquisa – Regular ou

BIOEN > Projeto de Pesquisa – Temtico ou

BIOEN > Jovem Pesquisador

6. Ao confirmar a modalidade desejada, surgir a opo Chamada de Propostas (2017), que dever ser selecionada;

7. A partir da, incluir os dados solicitados em todas as abas, inclusive a lista de documentos a serem anexados;

8. Ateno para a obrigatoriedade de preenchimento de todos itens marcados com “*“. necessrio submeter a proposta ao final do preenchimento. Proposta salva no significa proposta submetida. Ao submeter corretamente uma proposta ser gerado um nmero de processo;

9. No caso de dvidas, na pgina inicial do SAGe pode ser usado o link Manuais e, na pgina Manuais, buscar esclarecimentos na lista Manuais de Apoio aos Pesquisadores;

IMPORTANTE: Recomenda-se fortemente verificar periodicamente as pendncias da proposta utilizando a opo "Validar" do SAGE. Isso pode ser feito repetidas vezes, medida que a proposta for construda, permitindo que sejam tomadas em tempo as providncias necessrias submisso. Ao selecionar a opo “Validar”, o sistema SAGe apresentar as pendncias impeditivas para submisso da proposta considerando os itens que foram inseridos. Em caso de dvidas sobre a utilizao do SAGE, alm dos Manuais, a FAPESP disponibiliza ainda atendimento pelo Setor de Informaes (+55 11 3838-4000).

Verso para impresso | URL: fapesp.br/11201