FAPESP esclarece dúvidas para submissão de projetos inovadores ao PIPE

15 de dezembro de 2017

Elton Alisson | Agência FAPESP – A Oralls, uma pequena empresa de base tecnológica de São José dos Campos, acaba de fechar um contrato com o Governo do Estado de Goiás para fornecer 1,2 milhão de unidades de um gel dental com concentração ideal de flúor para crianças entre 11 meses e 7 anos de idade, que serão distribuídas em creches públicas.

Desenvolvido durante o doutorado do cirurgião-dentista Fabiano Vieira Vilhena, realizado com Bolsa da FAPESP, e aprimorado por meio de estudos clínicos e testes de formulações realizados com apoio do Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), o produto demandou mais de seis anos de pesquisa e desenvolvimento para chegar ao mercado, contou Vilhena durante o evento “Diálogo sobre Apoio à Pesquisa para Inovação na Pequena Empresa”, realizado na quarta-feira (13/12), no auditório da FAPESP.

O evento, realizado em parceria com o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) e o Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo (Simpi), teve o objetivo de oferecer às empresas que apresentaram ou têm interesse em apresentar projeto ao PIPE a oportunidade de resolver dúvidas antes do dia 29 de janeiro de 2018, fim do prazo para apresentar propostas para o 1º Ciclo de Análise de Propostas para o programa.

“O apoio do programa PIPE da FAPESP foi fundamental para realizarmos as pesquisas necessárias para desenvolver esse produto, que ganhou mercado recentemente e só agora temos conseguido alavancar negócios com ele”, disse Vilhena durante o evento.

“Pretendemos desenvolver em 2018 outros três projetos de pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, sendo um deles com apoio da FAPESP e os outros dois com recursos próprios”, afirmou.

O exemplo da empresa é bastante ilustrativo de um dos principais objetivos do PIPE, que é o de estimular a pesquisa e desenvolvimento (P&D) em pequenas empresas sediadas no Estado de São Paulo, ressaltou Sérgio Queiroz, membro da Coordenação Adjunta – Pesquisa para Inovação da FAPESP, durante o evento.

“O que se busca com o PIPE, essencialmente, é reforçar a capacidade competitiva de pequenas empresas em São Paulo de modo a criar nessas empresas uma cultura de que o investimento em pesquisa e inovação traz resultados”, disse Queiroz a uma plateia composta de empreendedores que lotaram o auditório da FAPESP.

A FAPESP reservou até R$ 15 milhões para atendimento às propostas selecionadas.

Podem apresentar propostas pesquisadores vinculados a empresas de pequeno porte (com até 250 empregados) com unidade de pesquisa e desenvolvimento no Estado de São Paulo.

As propostas podem ser desenvolvidas em duas etapas. A Fase 1, de demonstração da viabilidade tecnológica do produto ou processo, tem duração máxima de 9 meses e recursos de até R$ 200 mil. A Fase 2, de desenvolvimento do produto ou processo inovador, tem duração máxima de 24 meses e recursos de até R$ 1 milhão.

A FAPESP divulgará o resultado enviando a cada proponente os pareceres técnicos dos avaliadores. Os pareceres podem ser úteis para o aperfeiçoamento da proposta, seja ela aprovada ou não. Em caso de não aprovação, o proponente poderá aperfeiçoar a proposta, corrigindo as falhas apontadas, e submeter nova solicitação em edital subsequente.

A chamada está publicada em: http:// www.fapesp.br/pipe/chamada-1-2018.