Museus e Centros Depositários

Apoio à renovação e complementação da infraestrutura de pesquisa da coleção de culturas tropical da Fundação André Tosello

Processo
2009/54946-7
Pesquisador
Iracema de Oliveira Moraes
Instituição
Faculdade de Engenharia de Alimentos - UNICAMP
Entidade
UNICAMP
Coordenador
Engenharia II
Área
Ciência e Tecnoligia de Alimentos

Necessário se faz mudar a conceituação acerca das coleções biológicas, deixando de considerá-Ias meras depositárias, insumos para a P&D e passar a reconhecê-las como patrimônio estratégico e ativo crítico para o sistema de CT&I do país. A Coleção de Culturas Tropical (Microbianas) da Fundação André Tosello. CCT/FAT é um desses acervos onde se encontram recursos-chave. para que o país possa cumprir seus compromissos no âmbito da Convenção de Diversidade Biológica, CDB, e de outros tratados e acordos importantes no concerto internacional. Em 1982, a FAT iniciou o levantamento dos acervos das coleções de culturas do país, publicando em 1984 o primeiro catálogo de Coleções de Culturas de Microrganismos e único do país. A coleção foi estabelecida como uma coleção de serviços em 1988. O acervo da CCT é composto, por cerca de 7600 linhagens entre bactérias, fungos filamentosos e leveduras o que representa mais de 60000 registros (microrganismos liofilizados, congelados e refrigerados) e é credenciada pela WFCC (World Federation for Culture Collections) com o número 885: Coleção de Culturas Tropical. A CCT está implantando o banco de dados on line para ficar disponível a toda população e está atualizando o site (www.fat.org.br) para recebimento deste catálogo (Projeto ano 2010). A biodiversidade brasileira é extraordinária e pouco ainda foi explorado no país, gerando Tecnologia e Inovação, havendo uns poucos programas de manutenção e recuperação. Promover a capacitação nacional com vistas a preservar, estudar, conhecer e disponibilizar recursos biológicos certificados, bem como agregar-lhes valor através de tecnologias úteis, é uma preocupação constante da CCT. Considerando a tremenda evolução da biotecnologia e da bioeconomia na década de 1990, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) estabeleceu em 1999 um grupo de trabalho (Fase 1, 1999-2001) para discutir os desafios e as oportunidades associadas ao estabelecimento de uma rede global de centros de recursos biológicos, a ser consolidada a partir de coleções de serviço credenciadas. Na segunda fase da iniciativa da OCDE (Fase 2, 2002-2004), os esforços foram concentrados na definição da estratégia de implementação da Rede Global de CRBs, na discussão e na definição de critérios de acreditação de acordo com normas internacionalmente aceitas, critérios de qualidade e padrões de operação de centros de recursos biológicos e na abordagem de questões associadas à biossegurança e à harmonização do marco legal. Gestão e organização eficientes da Coleção, acopladas aos conceitos de qualidade, desenvolvimento de processos tecnológicos, na busca de produtos úteis à humanidade, pela utilização de microrganismos depositados, autenticados e certificados, acarretam ampliação dos recursos estratégicos e constituem infraestrutura de Inovação Tecnológica do país. Pretende-se, neste projeto, renovar e completar a infraestrutura da CCT, implantar um moderno sistema de Identificação Molecular, atender ao Sistema de Qualidade ISO 17025, além de estabelecer uma coleção de algas de interesse tecnológico.