Museus e Centros Depositários

Ampliação do banco de microrganismos marinhos (bmm) do IOUSP

Processo
2009/54789-9
Pesquisador
Sonia Maria Flores Gianesella
Instituição
Instituto Oceanográfico - USP
Entidade
USP
Coordenador
BIO I
Área
Oceanografia

O presente projeto visa à ampliação e melhoria das instalações do Banco de Microrganismos Marinhos do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (BMM), que conta com 210 cepas de microalgas marinhas além de alguns flagelados heterótrofos, sendo um dos maiores bancos de microalgas marinhas do Brasil. O BMM está em processo de cadastramento no Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (Processo num. 02000.002601/2009-29) tendo a Profa. Dra. Sônia Maria Flores Gianesella como curadora. O BMM dispõe em tempo integral de uma técnica de nível médio para os trabalhos de manutenção e assessoria a usuários, além de um técnico de nível médio e uma técnica de nível superior com dedicação parcial para demandas isoladas. Este banco foi criado em 1975 e foi reformado pela última vez em 1994. Desde então, o Instituto Oceanográfico cresceu, especialmente com o início da graduação em Oceanografia em 2002. Com isso, a demanda do uso do BMM também aumentou, porém especialmente no que se refere à utilização do espaço físico deste laboratório, para experimentos de docentes, alunos de pós-graduação e de graduação, bem como para atividades de disciplinas de graduação. Ocorre que, o BMM é, antes de mais nada, um banco de patrimônio genético que precisa ter seu acesso controlado. Nas atuais instalações, as cepas ficam na mesma sala onde encontram-se as bancadas para cultivos experimentais, de modo que ficam expostas à circulação dos usuários (ainda que restrita e controlada), e, principalmente, sujeita a risco de contaminações por estes usos múltiplos. Portanto, o intuito deste projeto é ampliar as instalações do BMM, de modo que o acervo das culturas de microrganismos fique em um recinto isolado, em condições adequadas aos cultivos e acesso estritamente controlado a pessoal credenciado. Já o espaço que ocupa atualmente, será adaptado para manutenção de cultivos para alimentação de organismos vivos e realização de experimentos, aumentando assim a capacidade do BMM em atender a demanda dos vários docentes e alunos que utilizam-se de suas instalações nas atividades de ensino e pesquisa.