Seminário Produtividade Agrícola Sustentável - Resumo das apresentações

Prof. Dr. Fernando Dini Andreote

O uso do microbioma dos solos e das plantas na busca de uma agricultura sustentável

A agricultura se desenvolveu devido a capacidade do homem em aprimorar as condições ambientais para o cultivo das plantas. No entanto, nem todos os componentes de uma área de produção agrícola são ainda utilizados de forma consciente pelo homem, residindo em muitos deles, um grande potencial para inovações no cenário agrícola. Dentre estes fatores, encontram-se as comunidades microbianas associadas às plantas e ao solo, sendo estas ainda pouco exploradas tecnologicamente. Isto dá base para o desenvolvimento de estudos que buscam a compreensão da distribuição taxonômica e funcional dos organismos que compõem estas comunidades. Pode-se ainda sugerir, que muitos dos processos que podem ser desempenhados por estas comunidades apenas sejam realizados pela atividade conjunta de grupos microbianos, limitando portanto, o uso de apenas um dos componentes destes grupos microbianos. A geração do termo 'manejo baseado no microbioma' dá margem ao desenvolvimento de propostas que buscam explorar este recurso onipresente nas áreas de produção agrícola, sendo este possivelmente um dos pilares para inovações tecnológicas, na busca de uma agricultura sustentável.
 

Prof. Dr. Hiroshi Noda

Sustentabilidade na Agricultura Familiar Amazônica: Melhoramento e Conservação de Recursos Genéticos Hortícolas 

A agricultura, em escala global, tem três grandes desafios a serem suplantados: garantir a segurança alimentar, principalmente nos países periféricos, onde o acesso ao alimento continua sendo, ainda hoje, um grave problema nas camadas mais pobres da população; aumentar os níveis de sustentabilidade agrícola face ao processo gradual de deterioração ambiental e desacelerar e estancar o processo de perda da agrobiodiversidade. Estudos de Martins (2005) mostraram que o manejo da mandioca no processo produtivo promove a amplificação e o fluxo gênico da espécie a nível comunitário e macro regional. Por outro lado, a prática do compartilhamento de recursos genéticos, derivada da cultura desses agricultores, somada à disponibilidade de variabilidade intra e interespecíficas evidencia o papel fundamental da organização social da produção agrícola na conservação da agrobiodiversidade e na evolução das espécies agrícolas frente às mudanças ambientais. Um programa em realização pelo INPA, em parceria com a Universidade Federal do Amazonas, a partir de 2001, por meio da pesquisa participativa com agricultores, vem implantando sistemas de melhoramento genético e conservação in situ de espécies hortícolas na região amazônica. Todas as ações de pesquisa vêm levando em conta os procedimentos agroecológicos adotados pelos agricultores tradicionais ocorridos no manejo das plantas no processo produtivo. A interação entre pesquisadores e agricultores vem estabelecendo o diálogo entre a ciência e o saber tradicional. O conhecimento derivado desta relação vem produzindo importantes subsídios para o entendimento da dinâmica evolutiva ocorrida na domesticação das espécies cultivadas. Outro ponto a considerar é a continuidade do processo de conservação dos recursos genéticos in situ para garantir a autossuficiência alimentar, a sustentabilidade no processo produtivo e a manutenção dos valores culturais dessas populações humanas.

*Estudos Avançados 19 (53): 209 – 220.