Chamada de Propostas de Pesquisa Convênio FAPESP-Ci&T e Digital Assets para Apoio à Pesquisa

1. Fundamentos

As Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs) vêm tendo, em particular a partir da década de 1990, impacto crescente nas sociedades. Tal impacto transcende as atividades produtivas. Eventos como a internet, a telefonia celular, o desenvolvimento de hardware e software e de serviços correlatos têm provocado reajustes e reformulação nos processos produtivos e ampliado o acesso e a disseminação de conhecimento. Software, em particular, devido ao seu caráter transversal, está presente em todas as cadeias produtivas e tem sido um importante elemento dinamizador de inúmeras atividades econômicas.

A consolidação e amadurecimento do setor de hardware têm induzido a que empresas que operam no setor de TICs busquem novos diferenciais competitivos, fazendo com que o setor de software aumente sua relevância e forma de operação. Esse setor tem buscado alterar seus modelos de negócio, apresentando tendências crescentes de crescimento da prestação de serviços, perpassando por variada gama, dos de menor aos de maior valor agregado.

Para o Brasil, as oportunidades de atuação no setor de TICs e, em particular, de software e suas aplicações, têm sido ampliadas face à dimensão do mercado interno e às perspectivas de expansão decorrentes do (ainda) baixo índicede informatização da economia e da sociedade em geral. Há também enormes oportunidades no mercado externo. Por outro lado, desenvolvimentos criados pela indústria de software podem contribuir decisivamente na solução de problemas ligados a, dentre outros, educação, saúde, governança e inclusão social.

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) tem, estrategicamente, buscado intensificar as conexões entre os pesquisadores de instituições de ensino superior e de pesquisa, oficiais e privadas, no Estado de São Paulo, com pesquisadores de empresas. Para isso, a Fundação se associa a empresas que tenham interesse e visão para buscar projetos de pesquisa, realizados em universidades e institutos de pesquisa, de natureza exploratória e que tratem de temas relevantes para sua estratégia de desenvolvimento científico e tecnológico. Esta associação não visa substituir as atividades de P&D próprias da empresa, mas sim a criar condições para que a P&D feita pela empresa tenha pontos de contacto e se beneficie da complementaridade com novas idéias circulando em universidades e institutos de pesquisa.

Atenta à importância da Tecnologia da Informação na economia paulista, a FAPESP vem contribuindo significativamente para o avanço do conhecimento científico e tecnológico do setor. Ao longo de seus 45 anos, a FAPESP tem incentivado, por meio de suas várias modalidades de apoio aos pesquisadores e programas específicos, um grande número de pesquisas voltadas para temas relacionados à Engenharia e Ciência da Computação, Tecnologia de Informação e à Administração de Empresas e Psicologia.

O Convênio FAPESP-Ci&T e DigitalAssets tem como objetivo desenvolver e apoiar projetos de pesquisa científica e tecnológica cooperativos, a serem estabelecidos e desenvolvidos entre pesquisadores de instituições de ensino superior e de pesquisa no Estado de São Paulo, e da Ci&T e DigitalAssets (equipes mistas). Os projetos selecionados deverão contribuir para o avanço do conhecimento e da tecnologia na área de Engenharia de Aplicações na WEB 2.0, em Engenharia de Software, em Administração de Empresas e em Psicologia, no estímulo à formação de recursos humanos altamente qualificados e, simultaneamente, na aplicação do conhecimento gerado no setor produtivo, promovendo o desenvolvimento de tecnologia nacional fundamental para o desenvolvimento econômico e social do Estado de São Paulo e do país.

2. Temas relevantes para esta Chamada de Propostas de Pesquisa Os temas de interesse da FAPESP e da Ci&T e DigitalAssets e que serão objeto de Chamadas de Propostas de Pesquisa para projetos de pesquisa cooperativa entre pesquisadores de instituições de ensino superior e de pesquisa, públicas e privadas, no Estado de São Paulo e pesquisadores da Ci&T e DigitalAssets concentram-se em engenharia de aplicações na WEB 2.0, em engenharia de software, em administração de empresas e em psicologia.

A WEB 2.0 designa uma nova geração de serviços baseados na WEB que priorizem colaboração on-line e compartilhamento de recursos e cooperação entre usuários. O crescimento corporativo implica em mudanças em gestão de empresas e pessoas, para as quais se requer o desenvolvimento de conhecimento e estratégias. Temas de interesse incluem, mas não são restritos a:

a) Linha 1 - Tema: Tecnologias, padrões e frameworks emergentes em Web 2.0

O novo paradigma de desenvolvimento de aplicações, a Web 2.0, é composto por um conjunto de padrões e tecnologias ainda em amadurecimento. A adoção dos padrões Web 2.0 já é uma realidade e, para otimizar a sua aplicação, torna-se necessário adquirir um conhecimento profundo de quais tecnologias e padrões deverão ser adotados e, mais importante, de que forma. Esta linha de pesquisa tem por objetivo investigar e comparar estas tecnologias, padrões e frameworks. As tecnologias e componentes a serem investigados nesta linha deverão ser preferencialmente abertos (padrões abertos, código aberto) e suportados pelas plataformas de desenvolvimento de aplicações corporativas tais como JEE e Microsoft.Net.

b) Linha 2 - Tema: Usabilidade de Aplicações Web

Nesta linha de pesquisa serão investigados temas relacionados a arquitetura de informação, padrões de usabilidade, navegabilidade e interface que tornem a experiência do usuário com o software a mais efetiva e agradável possível. A linha terá como referência o ponto de vista do usuário final em relação à sua interação com interfaces Web 2.0, e deverá utilizar como base a metodologia de análise e o estudo de alternativas de interface em função da sua efetividade em termos de usabilidade.

c) Linha 3 - Tema: Processos, Métodos e Diretrizes de adoção da abordagem SOA no mundo corporativo e acadêmico

Apesar da disseminação e aceitação da abordagem SOA para o desenvolvimento de aplicações distribuídas, existe uma lacuna substancial no que tange ao "como" garantir o alinhamento dos objetivos corporativos com a efetiva implantação desta tecnologia, em termos de processos, métodos e diretrizes de uso. O objetivo desta linha de pesquisa busca explorar tais aspectos, visando ao levantamento de boas práticas e a proposição de métodos que facilitem a adoção e o desenvolvimento de aplicações baseadas em serviços em empresas e universidades.

d) Linha 4 - Tema: Tecnologias, padrões e frameworks emergentes em SOA

A utilização efetiva de soluções SOA passa pela contínua atualização e investigação dos padrões e tecnologias da chamada "stack SOA", a "pilha" de tecnologias, produtos e padrões relacionados a este tema. Esta linha de pesquisa visa estudar as tecnologias da pilha SOA, tais como: padrões de webservices (WS-I, WS-*, etc), ESB (Enterprise Service Bus), BPM Engines, dentre outros. Adicionalmente, também devem ser alvo de estudo tópicos como governança de serviços SOA, incluindo processos, técnicas e metodologias, com o objetivo de suportar a adoção incremental e consistente deste paradigma. Por fim, o desenvolvimento de pesquisa em modelagem de negócios, repositórios/registro de serviços e o seu monitoramento, também são desejáveis. As tecnologias e componentes investigados nesta linha deverão preferencialmente ser abertos (padrões abertos, código aberto) e serem suportados pelas plataformas de desenvolvimento de aplicações corporativas JEE e Microsoft.Net (a mesma da linha 1 acima).

e) Linha 5 - Tema: Reuso de Software

Reuso pode ser considerado uma denominação "genérica", envolvendo uma variedade de técnicas utilizadas desde as etapas de concepção e design até a implementação de aplicações de software. Dentro deste tema, diversas sub-áreas de pesquisa e desenvolvimento vêm se destacando nos últimos anos na academia e também na indústria. Exemplos de tópicos relacionados são a avaliação e desenvolvimento de processos, métodos e técnicas relacionadas ao reuso, bem como a análise do desempenho e aplicabilidade de ferramentas que apóiam o reuso de software. Tais tópicos envolvem trabalho em várias frentes, como aspectos associados a projeto, desenvolvimento, empacotamento, compartilhamento e padrões de componentes, customização de processos de desenvolvimento de software, arquiteturas voltadas ao reuso - ou ferramentas de modelagem, representação, versionamento, indexação e gerenciamento de repositórios de elementos reutilizáveis. Como o reuso facilita o compartilhamento de recursos e cooperação na web, este tema também requer estudos envolvendo aspectos semânticos e de colaboração, incluindo o uso de ontologias e trabalho em folksonomia e web semântica.

f) Linha 6 - Tema: Gestão de grandes volumes de conteúdo em aplicações na Web 2.0.

A maioria das aplicações desenvolvidas na Web 2.0 ainda está concentrada no gerenciamento de dados textuais. O trabalho colaborativo, nestas iniciativas, também se dá por intercâmbio de dados textuais. Isto deve ser contrastado com a disponibilização, na web, de inúmeros outros tipos de conteúdo - como som ou imagem - cujo gerenciamento e disponibilização não estão acompanhando os avanços na área textual. Grandes empresas da área de software já estão se preocupando com esta questão, desenvolvendo sistemas que permitam gerenciamento destes novos conteúdos e mecanismos de colaboração e interação que os incluam. Esta linha visa, assim, apoiar trabalhos voltados a novas formas de gerenciamento e engenharia de conteúdo para aplicações na Web 2.0 - por exemplo, arquiteturas e serviços para conteúdo multimídia; criação, análise, armazenamento e distribuição de conteúdo; métricas e métodos de avaliação de desempenho, confiabilidade e QoS, representação e indexação de documentos; segurança e privacidade e web semântica.

g) Linha 7 - Tema: Mudanças de Comportamento Humano em Corporações Escaláveis

Um dos maiores desafios no amadurecimento de empresas brasileiras que atuam no setor de tecnologia da informação corresponde à ampliação da sua capacidade de gestão de pessoas. Isto decorre do aumento significativo do número de profissionais bastante característico deste setor, ao mesmo tempo em que há a necessidade de manutenção dos mesmos processos, ambientes de trabalho construtivos e expectativas profissionais que permitam a atratividade de tais profissionais pela empresa em questão. O estudo nesta linha de pesquisa pretende avaliar como empresas de altas taxas de crescimento em número de pessoas devem desenvolver estratégias para tratar a manutenção de ambientes saudáveis de trabalho e produtividade.

h) Linha 8 - Tema: Competitividade suportada por gestão diferenciada de relacionamentos corporativos

Dentro das teorias relacionadas ao posicionamento estratégico de empresas, à sua capacidade competitiva e ao que vem sendo defendido como uso eficiente das bases da moderna administração de corporações, existe um aspecto que vem sofrendo bastante alteração nos últimos anos: os processos de relacionamento entre corporações. Um dos argumentos que defendem as razões para esta mudança de comportamento está relacionado à interferência das tecnologias da informação na formação de uma cultura global interligada. Isto seria uma característica incorporada por pessoas e instituições. O objetivo desta linha de pesquisa seria a de avaliar como a utilização de diferentes recursos em gestão de relacionamentos corporativos pode interferir no crescimento de empresas que atuam em mercados muito competitivos.

i) Linha 9 - Tema: Desenvolvimento de Plataformas Ubíquas de Software com foco em Logística de Transportes

O objetivo desta linha de projetos é o desenvolvimento de tecnologias de hardware e/ou software para viabilizar a automação de cadeias logísticas completas de transportes. Dentro deste caso, podem estar inclusos, dentre outros, o desenvolvimento de tecnologia para o monitoramento em tempo de deslocamento do estado da carga em uma cadeia de suprimentos. No que se refere a possíveis tecnologias de hardware, a referência de apoio está voltada para o desenvolvimento de software embarcado e RFID, além de tecnologias para gerenciamento, monitoramento e suporte ao fluxo completo de funcionamento de cadeias logísticas. Com o desenvolvimento tecnológico proposto, pretende-se viabilizar:

  1. a otimização de rotas de tráfego;
  2. o balanceamento de estoques em warehouses e pontos menores de armazenamento de carga;
  3. o gerenciamento inteligente de estado de carga e do veículo durante toda cadeia de transporte;
  4. o suporte à otimização de serviços disponíveis durante tráfego de rota;
  5. a captura, armazenamento e gerenciamento das informações coletadas pelos RFID e sensores durante toda a cadeia de suprimento.

3. Chamada de Propostas de Pesquisa

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, FAPESP, e a Ci&T e DigitalAssets tornam pública a presente Chamada de Propostas de Pesquisa e convidam os pesquisadores interessados, vinculados a instituições de ensino superior e de pesquisa, públicas e privadas, no Estado de São Paulo, a apresentarem propostas de projetos de pesquisa no âmbito do convênio firmado entre a FAPESP e a Ci&T e DigitalAssets, nas formas e condições a seguir estabelecidas.

4. Objetivos

O objetivo desta Chamada de Propostas de Pesquisa é identificar, selecionar e apoiar projetos de pesquisa fundamental e aplicada, de classe mundial, relacionadas aos temas descritos na Seção 1.1.

5. Condições de participação

As condições de participação na Chamada de Propostas de Pesquisa listadas acima serão aplicadas rigorosamente. Por favor, leia-as cuidadosamente. Propostas que violem alguma das condições serão excluídas.

  1. As propostas devem ser apresentadas por pesquisadores de instituições de ensino superior e de pesquisa, públicas e privadas, no Estado de São Paulo. Aplicam-se as condições e restrições do Programa FAPESP de Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (PITE), excluindo-se aquelas restrições e condições explicitamente excepcionadas nesta Chamada de Propostas de Pesquisa.
  2. Propostas que estejam incompletas, imprecisas, ou que de alguma maneira não estejam aderentes aos termos desta Chamada, segundo análise pelo Comitê Gestor do Convênio FAPESP-Ci&T e DigitalAssets, serão excluídas.

6. Características das propostas de pesquisa

As propostas deverão buscar alguns ou todos os seguintes objetivos de pesquisa:

  1. Soluções novas e criativas: os projetos que se busca não são do tipo engenharia incremental com um resultado garantido, mas sim propostas que explorem e criem nova tecnologia e conhecimento e que contribuam para a formação de recursos humanos na área. A FAPESP e a Ci&T e DigitalAssets encorajam abordagens ousadas, originais e não-convencionais para os desafios científicos e tecnológicos centrais nos temas listados na Seção 2.
  2. Relevância imediata: A FAPESP e a Ci&T e Digital Assets buscam projetos que sejam intensamente conectados ao desenvolvimento de tecnologias baseadas em conhecimentos avançados e relevantes para a competitividade da empresa. Os objetivos devem ser específicos, mensuráveis e orientados a resultados com métricas tangíveis.
  3. Disseminação e comunicação:Os resultados da pesquisa devem ser amplamente comunicados nas comunidades científicas relevantes, usando-se canais acadêmicos estabelecidos tais como conferências internacionais e revistas científicas arbitradas. Todos os projetos selecionados devem resultar em presença detalhada na Web e relevantes apresentações em conferências e publicações. Outros canais para o desenvolvimento comunitário podem incluir workshops regionais, seminários de pós-graduação e itens curriculares como cursos ou materiais para cursos.
  4. Propriedade intelectual dos resultados: os direitos de propriedade intelectual sobre os resultados serão objeto de cláusula em convênio entre a FAPESP, a Ci&T e DigitalAssets e a Instituição sede de cada um dos projetos selecionados. A FAPESP, a Ci&T e Digital Assets e a instituição sede se comprometem a buscar os instrumentos para proteção da propriedade intelectual de tal forma que a obtenção desta, seja por meio de patentes ou outras, não represente obstáculo à comunicação dos resultados em canais científicos e técnicos.

7. Recursos destinados a esta chamada

O total de recursos oferecido pela FAPESP e pela Ci&T e Digital Assets para atender às propostas selecionadas nesta Chamada de Propostas de Pesquisa é de R$ 3.600.000,00, sendo R$ 1.800.000,00 pela FAPESP e R$ 1.800.000,00 pela Ci&T e Digital Assets. A adequação do orçamento proposto aos objetivos e à capacidade da equipe proponente constitui-se em aspecto relevante que será considerada na análise e seleção das propostas. A FAPESP e a Ci&T e Digital Assets se reservam o direito de propor orçamentos menores do que os solicitados para algumas das propostas selecionadas.

As propostas devem apresentar os itens de orçamento solicitados à FAPESP e à Ci&T e Digital Assets, buscando manter em torno de 50% a fração do valor total solicitado a cada um dos financiadores. Tal equilíbrio é desejável, mas não obrigatório, podendo afastar-se dos 50% devido a situações específicas justificadas.

Os itens de orçamento que podem ser solicitados à FAPESP são aqueles tradicionalmente apoiados pela Fundação e descritos aqui.

Os itens de orçamento que podem ser cobertos com recursos da Ci&T e Digital Assets devem estar restritos a:

  1. Recursos aplicados em bens de capital ou equipamentos se estes ficarem sob propriedade das instituições de ensino superior e de pesquisa no Estado de São Paulo após o projeto;
  2. Recursos aplicados em bolsas de estudo para Iniciação Científica, Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado, com valores, no mínimo, iguais aos das bolsas FAPESP para estas modalidades;
  3. Recursos aplicados em custeio de materiais de consumo, viagens e serviços de terceiros diretamente associados ao projeto;
  4. Recursos aplicados na infraestrutura de pesquisa associada ao projeto;
  5. Recursos para complementação salarial dos professores ou pesquisadores contratados pelas instituições de ensino superior e de pesquisa, participantes do projeto;
  6. Recursos para a contratação, pelo prazo do projeto, de pesquisadores ou técnicos de apoio dedicados ao projeto na instituição acadêmica parceira;
  7. As situações especiais ou omissas serão analisadas especificamente, em cada caso, mediante justificativa circunstanciada que deve constar da proposta, pelo Conselho Técnico Administrativo da FAPESP.

8. Duração do Projeto

As propostas deverão ser para projetos com duração de até, no máximo, 24 meses.

9. Formatação das Propostas

As propostas devem ser apresentadas contendo:

a. Formulário FAPESP-PITE (propostas apresentadas em outros formulários FAPESP serão desqualificadas na autuação) do sistema SAGE;

b. Súmula Curricular FAPESP para cada um dos Pesquisadores Principais, inclusive aqueles de empresas parceiras, se houver;

c. Projeto de Pesquisa: as propostas devem cobrir os itens de c.1) a c.6), abaixo, em no máximo 20 páginas, usando tipo de tamanho 12 e espaçamento duplo. Por favor, use os títulos listados em c.1) a c.6) como títulos de seções:

c.1. Enunciado do problema: Qual será o problema tratado pelo projeto e qual sua importância? Qual será a contribuição para a área se bem sucedido? Cite trabalhos relevantes na área, conforme necessário.
c.2. Resultados esperados: O que será criado ou produzido como resultado o projeto proposto? Como os resultados serão disseminados?
c.3. Desafios científicos e tecnológicos e os meios e métodos para superá-los: explicite os desafios científicos e tecnológicos que o projeto se propõe a superar para atingir os objetivos. Descreva com que meios e métodos estes desafios poderão ser vencidos. Cite referências que ajudem os assessores que analisarão a proposta a entenderem que os desafios mencionados não foram ainda vencidos (ou ainda não foram vencidos de forma adequada) e que poderão ser vencidos com os métodos e meios da proposta em análise.
c.4. Cronograma: Quando o projeto será completado? Quais os eventos marcantes que poderão ser usados para medir o progresso do projeto e quando estará completo? Caso o projeto proposto seja parte de outro projeto maior já em andamento, estime os prazos somente para o projeto proposto.
c.5. Disseminação e avaliação: Como os resultados do projeto deverão ser avaliados e como serão disseminados? Que tipo de licença e em que termos os resultados serão disponibilizados?
c.6. Outros apoios: Demonstre outros apoios ao projeto, se houver, em forma de fundos, bens ou serviços, mas sem incluir itens como uso de instalações da instituição que já estão disponíveis. Note que os autores das propostas selecionadas deverão apresentar carta oficial assinada pelo dirigente da instituição, comprometendo os recursos e bens adicionais descritos na proposta.

Adicionalmente, cada proposta deverá conter, como anexos, os documentos relacionados ao item abaixo, se for o caso (este item não deve ser incluído na contagem de 20 páginas mencionada acima):

c.7. Plano de Trabalho para as Bolsas (Iniciação Científica, Mestrado e Doutorado e Pós-Doutorado) solicitadas:

 

Os custos para Bolsas de Iniciação Científica, Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado, cujos prazos devem ser iguais ou menores do que o prazo de duração do projeto poderão ser cobertos com recursos da Ci&T e Digital Assets dependendo da análise da proposta e da disponibilidade financeira, a ser verificada no momento da seleção das propostas. Os valores das bolsas deverão ser, no mínimo, iguais aos das bolsas FAPESP para estas modalidades.

Para cada bolsa solicitada deverá ser apresentado, com a proposta inicial, um Plano de Trabalho com até duas páginas, incluindo Título do Projeto de Bolsa, Resumo e Descrição do Plano. Não é necessário indicar o nome do bolsista na proposta, mas caso o projeto seja aprovado, o Pesquisador Principal deverá providenciar processo seletivo anunciado publicamente para selecionar os bolsistas por mérito acadêmico.

d. Planilhas de orçamento e cronogramas físico-financeiros:
A lista de planilhas necessárias foi alterada em 21 de fevereiro de 2008 para a lista atualizada descrita em www.fapesp.br/chamadas/cit-da/planilhas. Uma vez preenchidas, as planilhas devem ser apresentadas, juntamente com o Projeto de Pesquisa do item (c), como documento a ser adicionado à proposta no sistema SAGe.

d.1. Planilha do Orçamento Consolidado por rubrica e por fontes de financiamento (FAPESP, Ci&T e Digital Assets e outras fontes como universidades, institutos, outras agências)

d.2. Planilhas para itens a serem financiados pela FAPESP:

d.2.1. Planilha para itens da rubrica Material Permanente Nacional (MPN)
d.2.2. Planilha para itens da rubrica Material Permanente Importado (MPI)
d.2.3. Planilha para itens da rubrica Material de Consumo Nacional (MCN)
d.2.4. Planilha para itens da rubrica Material de Consumo Importado (MCI)
d.2.5. Planilha para itens da rubrica Serviços de Terceiros no País (STB)
d.2.6. Planilha para itens da rubrica Serviço de Terceiros no Exterior (STE)
d.2.7. Planilha para itens da rubrica Transporte (DET)
d.2.8. Planilha para itens da rubrica Diárias (DIP)
d.2.9. Cronograma físico-financeiro anual dos recursos solicitados à FAPESP

d.3. Planilhas para itens a serem financiados pela Ci&T e Digital Assets:

d.3.1. Planilha para itens da rubrica Material Permanente Nacional (MPN)
d.3.2. Planilha para itens da rubrica Material Permanente Importado (MPI)
d.3.3. Planilha para itens da rubrica Material de Consumo Nacional (MCN)
d.3.4. Planilha para itens da rubrica Material de Consumo Importado (MCI)
d.3.5. Planilha para itens da rubrica Serviços de Terceiros no País (STB)
d.3.6. Planilha para itens da rubrica Serviço de Terceiros no Exterior (STE)
d.3.7. Planilha para itens da rubrica Transporte (DET)
d.3.8. Planilha pra itens da rubrica Diárias (DIP)
d.3.9. Planilha consolidada: Recursos Humanos para Bolsas
d.3.10. Planilha para Custos de Pessoal, podendo incluir: pesquisadores visitantes; pesquisadores e técnicos de apoio admitidos para o exercício de atividades na instituição acadêmica sede do projeto pelo prazo do projeto; complementação salarial de professores e pesquisadores
d.3.11. Planilha para Custos com infraestrutura e Instalações associadas ao projeto
d.3.12. Cronograma físico-financeiro anual dos recursos solicitados à Ci&T e Digital Assets


10. Comunicações relativas a esta Chamada de Propostas de Pesquisa

10.1. Apresentação das propostas

Todas as propostas deverão ser enviadas exclusivamente através do sistema SAGE da FAPESP, acessível a partir da página principal do site da FAPESP em www.fapesp.br. Não serão aceitas propostas submetidas por qualquer outro meio.

10.2. Para esclarecimentos

Por favor, envie todas as questões sobre esta Chamada de Propostas de Pesquisa para chamada_fapesp_ciet@fapesp.br. Para atendimento mais eficaz, por favor, inclua "Chamada FAPESP-Ci&T" no campo "Assunto" do e-mail.

10.3. Para contactos de esclarecimento técnico com a Ci&T e Digital Assets

Recomenda-se aos interessados em apresentar propostas contatar a empresa durante a elaboração da mesma. A aderência às orientações oferecidas pela empresa não garante a aprovação da proposta - lembra-se aos interessados que a análise será feita usando-se o sistema de assessoria ad-hoc tradicionalmente usado pela FAPESP.

A solicitação de orientação técnica junto à Ci&T e Digital Assets deve ser encaminhada a:

 

Flavio Leal Pimentel
Diretor de Tecnologia Corporativa
Ci&T e Digital Assets
Polis de Tecnologia
Rod. Campinas - Mogi Mirim km 118,5 - Prédio 23B 13086-902 - Campinas -SP
Fone: (19) 2102 4536
e-mail: fpimentel@cit.com.br

11. Análise e Seleção das Propostas de Pesquisa

Todas as propostas consideradas aderentes aos termos desta Chamada de Propostas de Pesquisa serão analisadas.

A seleção das propostas será realizada por análise de mérito e análises comparativas. Estas serão realizadas usando-se pareceres de assessoria ad-hoc, das Coordenações de Área e Adjuntas da FAPESP de acordo com os critérios para seleção de Auxílios à Pesquisa tradicionais da FAPESP, e do Comitê Gestor da cooperação FAPESP-Ci&T e Digital Assets.

Não participarão do processo de análise e seleção de propostas pesquisadores participantes em alguma proposta submetida.

Todas as propostas serão analisadas usando-se os seguintes critérios:

  1. Aderência aos termos especificados nesta Chamada;
  2. Originalidade e ousadia da proposta de pesquisa acadêmica, em relação às linhas de pesquisa propostas; objetivos de pesquisa bem definidos e que, se atingidos, tem o potencial de ter impacto significativo no campo de pesquisa.
  3. Qualidade do projeto de pesquisa, na especificação clara dos objetivos, dos desafios a vencer e dos meios e métodos científicos, técnicos e materiais para isso, em relação ao estado da arte no campo.
  4. Qualidade e diligência da engenharia, incluindo a definição das interfaces, metodologia de testes e planos para implementação experimental.
  5. Adequação da infraestrutura oferecida pela instituição sede.
  6. Qualificação do pesquisador proponente e sua equipe, demonstrada por histórico anterior de resultados de pesquisa em áreas relevantes a esta Chamada, finalização bem sucedida de projetos anteriores, prêmios e reconhecimentos por atividade docente, e publicações, demonstradas nas Súmulas Curriculares dos pesquisadores principais.
  7. Viabilidade da execução do projeto, incluindo a adequação dos recursos disponíveis, apoio institucional, razoabilidade dos cronogramas, quantidade e qualificação dos participantes, valor, o que inclui o uso eficiente dos recursos solicitados.
  8. Potencial para ampla disseminação e uso da propriedade intelectual criada, incluindo-se planos para publicações científicas, apresentações em conferências, bem como planos para distribuição dos conteúdos em múltiplos formatos e linguagens.
  9. Formação de novos pesquisadores e profissionais, propiciada pela execução do projeto.

12. Cronograma

 

Evento

Datas

Publicação da Chamada no Portal da FAPESP

15 de Fevereiro de 2008

Última data para recebimento de propostas

Prorrogada até 22 de abril de 2008

Publicação dos resultados do processo de análise e seleção

11 de Agosto de 2008

13. Resultados do Julgamento

Os resultados finais serão divulgados no portal da FAPESP em www.fapesp.br e através de comunicado aos interessados.

14. Cancelamento da Concessão

A concessão do apoio financeiro poderá ser cancelada pela FAPESP, por ocorrência, durante sua execução, de fato cuja gravidade justifique o cancelamento, a critério da Diretoria Científica da FAPESP, sem prejuízo de outras providências cabíveis.

15. Concessão, Acompanhamento e Avaliação dos Projetos

Caso a solicitação seja aprovada, será lavrado Termo de Outorga, o qual deverá ser assinado pelo pesquisador principal e pelo responsável pela instituição.

Os resultados obtidos deverão ser demonstrados em relatórios científicos, e prestações de contas deverão ser encaminhas de acordo com o estabelecido no Termo de Outorga.