FAPESP ganha Prêmio Luiz Beltrão

Agência FAPESP - São conhecidos os vencedores da edição 2005 do Prêmio Luiz Beltrão de Ciências da Comunicação. A iniciativa da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom) é dividida em quatro categorias: instituição paradigmática, grupo inovador, maturidade acadêmica e liderança emergente. O concurso existe desde 1997 para homenagear o pioneiro da pesquisa acadêmica sobre os fenômenos da comunicação no Brasil.

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) ganhou como “instituição paradigmática do ano”. Segundo o júri, a distinção se justifica pela “política de comunicação pública” recentemente instituída, com o objetivo de “dar transparência aos programas” da instituição e ao mesmo tempo “disseminar o resultados dos estudos produzidos pelos pesquisadores” que ele financia.

Ainda de acordo com a justificativa dos jurados, a Fundação vem contribuindo para “socializar o conhecimento novo, colocando as inovações tecnológicas a serviço das empresas, órgãos públicos, entidades educacionais e movimentos sociais”.

Outra categoria do prêmio, a de “grupo inovador”, teve como vencedor uma instituição da Universidade de São Paulo. Criado há mais de 10 anos, o Núcleo de Comunicação e Educação da Escola de Comunicações e Artes vem desenvolvendo, segundo o júri do Prêmio Luiz Beltrão, várias iniciativas importantes em seu campo de atuação. Dentre as ações de destaque está o Projeto Educom.radio, que tem como objetivo resolver um problema específico: combater a violência e favorecer uma cultura de paz num determinado sistema educativo.

O professor Murilo César Ramos, ex-diretor da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília, foi o vencedor na categoria “maturidade acadêmica”. O júri considerou que o pesquisador tem “participado ativamente do debate nacional sobre a economia política da comunicação e da informação, dando demonstrações explícitas da sua maturidade acadêmica.”

Entre os líderes emergentes do Brasil na área de comunicação, os jurados decidiram premiar uma dupla. A distinção foi para Giovandro Marcos Ferreira, professor da Universidade Federal da Bahia, e Raquel Paiva, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. O primeiro foi escolhido pela “contribuição para dinamizar as relações Brasil-França”, bem como o “desempenho pluralista” à frente do Núcleo de Pesquisa em Teoria e Metodologia da Comunicação da Intercom. No caso da professora Raquel Paiva, o júri considerou a “crescente projeção nacional” que ela vem obtendo em função dos trabalhos realizados no Laboratório de Comunicação Comunitária da UFRJ.

Todos os troféus e diplomas outorgados pelo corpo de jurados serão entregues na noite do dia 8 de setembro durante o do 28o Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, que será realizado na Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Para chegar aos vencedores o júri se baseou em inscrições feitas pelos sócios da Intercom e por membros de outras comunidade acadêmicas da área.

Os escolhidos foram definidos pelo júri nacional, que é formado pelos ganhadores, em anos prévios, do prêmio “maturidade acadêmica”: Moacir Pereira, Sergio Caparelli, Sérgio Mattos, Muniz Sodré, Antonio Costella, Carlos Eduardo Lins da Silva e Ana Arruda Callado. E ainda pelos pesquisadores que exerceram a presidência da Intercom: José Marques de Melo, Anamaria Fadul, Gaudêncio Torquato, Margarida Kunsch, Carlos Chaparro, Adolpho Queiroz, Maria Immacolata Vassalo de Lopes, José Salvador Faro, Cicília Peruzzo e Sonia Virginia Moreira.

O regulamento do prêmio e a lista dos seus ganhadores em anos anteriores podem ser consultados no endereço eletrônico: www2.metodista.br/unesco/luizbeltrao/index.htm