Representantes do OCP Policy Center, do Marrocos, visitam a FAPESP

Representantes do OCP Policy Center, do Marrocos, visitam a FAPESP

"Queremos expandir nossas relações com instituições brasileiras", disse líder da delegação do centro voltado à formulação e consolidação de políticas públicas

Um grupo de representantes do OCP Policy Center, entidade marroquina voltada à formulação e consolidação de políticas públicas para as áreas de Agricultura, Meio Ambiente, Segurança Alimentar, Desenvolvimento Econômico e Social, Economia e Finanças, Geopolítica e Relações Internacionais, visitou a FAPESP. no dia 19 de julho, a fim de conhecer a atuação da Fundação e iniciar um diálogo que possa levar a um acordo de cooperação entre as duas instituições.

Chefiada por Karim El Aynaoui, diretor geral do centro sediado em Rabat, capital do Marrocos, a delegação foi recebida na FAPESP por Carlos Henrique de Brito Cruz e Luiz Nunes de Oliveira, respectivamente diretor e assessor especial da diretoria científica da Fundação.

El Aynaoui explicou que o OCP Policy Center busca desenvolver políticas públicas nos mais variados segmentos, com destaque para agricultura e energias renováveis, funcionando como uma incubadora de ideias, propondo a reflexão sobre ações e políticas públicas nos países emergentes, considerando os processos de crescimento e desenvolvimento nacional e regional.

Para El Aynaoui, a localização geográfica do Marrocos, que representa uma conexão entre os países africanos e europeus, pode fazer do país um conector importante também com países do outro lado do Atlântico, como o Brasil.

“Queremos expandir nossas relações com instituições brasileiras em temas de interesse comum entre os dois países, incluindo a possibilidade de formação e pesquisa em diferentes áreas”, disse, destacando a importância de um diálogo mais próximo entre economias emergentes nos dois continentes.

A fim de explicar o sistema de ciência e tecnologia do Estado de São Paulo, Brito Cruz destacou os mecanismos de financiamento e o papel da FAPESP no fomento às pesquisas no Estado, bem como os principais programas mantidos pela Fundação.

Os acordos de cooperação internacional mantidos pela FAPESP também fizeram parte da apresentação, incluindo aqueles firmados com instituições de fomento, universidades e empresas, além de um perfil da produção científica apoiada pela Fundação.

Formada por representantes do governo marroquino, de instituições públicas e privadas e de universidades, a delegação destacou o objetivo de desenvolver projetos conjuntos entre os dois países também em formação e pesquisa científica e tecnológica, o que poderia ser expandido para outros países da América do Sul e da África Ocidental e Subsaariana, desde que haja interesses similares.

Para isso, em sua passagem por São Paulo, o grupo também visitou a Assembleia Legislativa do Estado, a fim de identificar possíveis parcerias de longo prazo em áreas estratégicas para o chamado Atlântico Expandido, que compreende os países africanos e americanos nos dois lados do oceano.

“A dinamização socioeconômica engloba desafios estratégicos regionais e globais, que precisam ser enfrentados pelos países em desenvolvimento e emergentes, a partir de uma perspectiva Sul-Sul”, disse El Aynaoui.